"A liberdade é um luxo a que nem todos se podem permitir." (Otto Bismark)

"O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons." (M. Luther King)

"Não é sinal de saúde estar bem adaptado a uma sociedade doente." (Jiddu Krishnamurti)

"Ninguém está obrigado a cooperar em sua própria perda ou em sua própria escravatura, a Desobediência Civil é um direito imprescindível de todo o cidadão!" (Mahatma Ghandi)

"Alguns homens vêem as coisas como são e dizem "Porquê?". Eu sonho com as coisas que nunca foram e digo "Porque não?" (George Bernard Shaw)

“Não há covardia mais torpe que a covardia da inteligência, a burrice voluntária, a recusa de juntar os pontos e enxergar o sentido geral dos factos.” [Olavo de Carvalho]

Nota:

Este blog não obedece nem obedecerá a qualquer acordo ortográfico que seja um atentado à identidade do País

domingo, 8 de agosto de 2010

Problema Grave, urge solução!

A novela dos “Patrulhões” continua…


A novela dos “Patrulhões” continua… O primeiro navio, construído nos Estaleiros de Viana do Castelo, está já há mais de um ano em testes e ainda que a Marinha venha agora admitir que espera receber o navio no seu (cada vez mais escasso) inventário “em breve” a verdade é que tal entrega ainda não aconteceu.

Este “Patrulhão” será o primeiro de oito navios a construir em Viana do Castelo, navios que serão absolutamente cruciais para que as missões que eram até à bem pouco tempo cumpridas pelos 12 navios que durante apenas 4 anos, a Marinha já abateu aos seus efetivos e que como certamente se adivinhará corresponderam a sua redução da sua capacidade efetiva, algo especialmente grave num país de tradição marítima e com a extensa (e rica) Zona Económica Exclusiva de Portugal.

A causa dos problemas dos “Patrulhões” estão bem identificados. Logo desde o início, não houve uma clara percepção da complexidade dos sistemas embarcados nos navios e sem que existisse essa experiência em Portugal, foram cometidos varios erros que depois fizeram valer o seu peso. Nomeadamente, tornando os navios demasiado pesados e preenchendo demasiados espaços no seu interior.

A entrega dos novos navios vai permitir à Marinha uma redução dos seus custos operacionais, porque os navios que hoje utiliza (e que serão também depois abatidos) têm elevados custos de manutenção devido ao facto de alguns – como os patrulhas Cacine – terem já mais de 40 anos.

Atualmente, a Marinha Portuguesa tem um dispositivo naval de vigilância da costa composto por 3 patrulhas (já foram 10) um navio balizador e 5 corvetas (já houve 10). Seriam estes 10 navios que seriam substituídos pelos 8 “Patrulhões”, custando cada um cerca de 500 milhões de euros. “Seriam” porque ainda não foram, com grave prejuízo para a capacidade de vigilância marítima na nossa costa e grande vantagem para contrabandistas, pesqueiros ilegais, petroleiros com lavagens ilegais de tanques e toda a demais cáfila de meliantes que agora a Marinha já não consegue interceptar.

in http://movv.org/2010/08/02/a-novela-dos-patrulhoes-continua/

Gravíssimo, há já mais de 5 anos que deviam estar no efectivo da armada... A reccepçao desde meis de patrulha ocenanica sao conditio sine qua non, para a manutenção do do espaço marítimo sob nossa jurisdição, quanto mais para o projecto "alargar Portugal"!!!

Está-se a brincar com assuntos muito sérios!

1 comentário:

  1. É curioso como neste pequeno pais a beira-mar plantado o que é realmente importante para a nossa defesa é quase tratado como bens supérfluos e mesmo já prontos, é melhor arrumar do que lhe dar uso e enquanto isso pede-se a nossa marinha que trabalhe como frota velha e sem condições para corresponder as necessidades do pais….mais curioso é estas coisas não terem qualquer visibilidade nos meios de comunicação, parece que o que é realmente importante é casos como o freeport e coisas que todos nos já estamos fartos …

    ResponderEliminar

Neste Nosso Portugal©2009
 
hit counters