"A liberdade é um luxo a que nem todos se podem permitir." (Otto Bismark)

"O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons." (M. Luther King)

"Não é sinal de saúde estar bem adaptado a uma sociedade doente." (Jiddu Krishnamurti)

"Ninguém está obrigado a cooperar em sua própria perda ou em sua própria escravatura, a Desobediência Civil é um direito imprescindível de todo o cidadão!" (Mahatma Ghandi)

"Alguns homens vêem as coisas como são e dizem "Porquê?". Eu sonho com as coisas que nunca foram e digo "Porque não?" (George Bernard Shaw)

“Não há covardia mais torpe que a covardia da inteligência, a burrice voluntária, a recusa de juntar os pontos e enxergar o sentido geral dos factos.” [Olavo de Carvalho]

Nota:

Este blog não obedece nem obedecerá a qualquer acordo ortográfico que seja um atentado à identidade do País

domingo, 18 de abril de 2010

Mais um ano passa... E continuamos sem saber para onde ir...

Pois bem, mais um ano passa, e já passaram quase 36 anos do 25 de Abril de 74.
36 anos passados, e ainda não somos capazes de olhar em retrospectiva, de modo a apreender o que mudou, se mudou, se bem se para mal. Há muito que advogo que é necessário olhar para os últimos 30 anos, e ver para onde o pais se dirige, qual o seu caminho, se é que o há!
Uns dizem que com a Revolução e com a consequente aproximação ao continente Portugal virou as costas ao mar e olhou para a terra, para a Europa. Foi esta mudança conducente? Trouxe-nos esta nova visão/estratégia reais benefícios? Bom, é exactamente isto que nós enquanto Estado temos de aferir, porém passadas quase quatro décadas é ainda tabu questionar-mo-nos sobre estas matérias, que por seu turno, elas sim consubstanciaram uma verdadeira revolução na orientação geoestratégica e geopolítica da nossa nação.
No nosso ver, se é verdade que Portugal é um país europeu, e é um actor deste continente, não é menos verdade que é um país predominantemente marítimo, com a maior ZEE da União Europeia, e a 11ª em termos globais, sem ignorar que com a nova atribuição de território submarino passará para a 10ª posição a nível mundial imediatamente a seguir ao Brasil, acrescendo ainda o facto de cerca de 80% da população viver no litoral. Este é um sinal de per si so da importância deste tema. É portanto, esta uma realidade que não podemos ignorar nem nos alienar, conquanto, vivemos cada vez mais de costas para o mar. Desde a nossa entrada para CEE em 86 que nos foram atribuídos subsídios para a modernização da nossa frota pesqueira, sim para a modernização, não para o seu abate como de facto sucedeu, ao par de que só a frota pesqueira de Vigo é superior a Portuguesa. De uma considerável marinha mercante que possuíamos então, nos últimos 20 anos esta quase desapareceu e nem sombra é do que foi. Pescadores espanhóis pescam quase livremente nas nossas aguas, Portugal é uma das portas de entrada do narcotráfico proveniente de África, etc, etc, algo está mal...
Passados 40 anos destas politicas(tiqueces) continuamos a empobrecer e a viver do financiamento exterior, algo está mal... Como pode fazer sentido senhoras e senhores deputados encherem os pulmões de ar e dizer em tom patriótico que o contrato para o fornecimento dos 2 submarinos deve ser anulado, mas por outro lado afirmarem e quererem esta nova atribuição de território submerso pela ONU??? Algo está mal... Como podem senhores como Almeida Santos afirmarem que não necessitamos de uma armada, como iremos então fiscalizar toda esta imensidão de mar??? Como poderemos explorar os recursos la existentes?? Algo está mal...
São sobre estas incongruências obscuras que temos de reflectir, e o tempo urge para tal!!! Não podemso ignorar aquilo que somos, para ser aquilo que gostaríamos de ser...
O país não tem uma politica de fundo, há um vazio estratégico, a maioria dos senhores que "nos representam" na AR de nada percebem de sentido de Estado, só do seu sentido, e devem ser eles os primeiros a sofrer a mudança que devemos impor.
É por esta banda que devemos principiar a mudança, temos de conseguir reposicionar o nosso país no mapa, ele está ao contrário.
O nosso passado esteve no mar, só nele fomos grandes, o mesmo reza o nosso futuro se o pretendemos ter.


2 comentários:

  1. Infelizmente vivemos num pais ignorante, dirigido por ignorantes para ignorantes e poucos são os capazes de perceber e de se questionarem sobre estas temáticas, e mais fácil sentarem-se e criticarem os “insurgentes” vivemos numa época onde a politica é um espectáculo de circo onde não há essência, não há ideias não há posições, perdem se em ofensas e mal dizer enquanto o presente e o futuro do pais lhe passa ao lado deixando o condicionado… Quanto ao 25 de Abril, acredito que para muitos foi apenas a possibilidade de poder beber a sua bela coca cola sem ter que ir a Badajoz…
    Parabéns pelo post esta muito bem conseguido

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente vivemos num pais ignorante, dirigido por ignorantes para ignorantes e poucos são os capazes de perceber e de se questionarem sobre estas temáticas, e mais fácil sentarem-se e criticarem os “insurgentes” vivemos numa época onde a politica é um espectáculo de circo onde não há essência, não há ideias não há posições, perdem se em ofensas e mal dizer enquanto o presente e o futuro do pais lhe passa ao lado deixando o condicionado… Quanto ao 25 de Abril, acredito que para muitos foi apenas a possibilidade de poder beber a sua bela coca cola sem ter que ir a Badajoz…
    Parabéns pelo post esta muito bem conseguido

    ResponderEliminar

Neste Nosso Portugal©2009
 
hit counters